fbpx

Tá tudo caro! A culpa é do capitalismo e do Bolsonaro

Publicado originalmente em 6 de Maio de 2022

Hoje o DIEESE divulgou os preços da cesta básica nas capitais brasileiras. Pelo segundo mês consecutivo houve crescimento do preço das mercadorias básicas para a sobrevivência da classe trabalhadora em absolutamente todas as capitais. Florianópolis, representante de Santa Catarina na pesquisa, registra a segunda cesta básica mais cara do Brasil: R$ 788,00. Estamos diante de um verdadeiro crime contra a população, que sofre cotidianamente diante da incapacidade de reproduzir a própria vida.

O motivo de tal elevação permanente dos preços está na economia capitalista. Regida única e exclusivamente pelo lucro, a guerra comercial e econômica entre as potências imperialistas no mercado mundial, que tem na Guerra da Ucrânia um novo desdobramento catastrófico, tem desorganizado completamente a produção e circulação de mercadorias.

No Brasil, o cenário é ainda mais grave, isso diante de uma economia cada vez mais dependente dos capitais estrangeiros e comandada por um presidente de perfil ultraliberal. Acabaram-se os mínimos controles públicos sobre os preços dos itens que são base da produção – como os combustíveis e a energia, por exemplo. Nesse quadro, absolutamente tudo está sendo regido pelos mercados e pela necessidade de remunerar ao máximo os acionistas, ou seja, majoritariamente os bilionários.

Não apenas a cesta básica, mas a gasolina, os aluguéis, a energia elétrica, o vestuário, o gás de cozinha, enfim, absolutamente tudo está caro. “Mudar tudo que está aí” passa por combater a inflação que hoje é enorme e generalizada. Para isso, diante do novo quadro de desorganização capitalista mundial, apenas uma alternativa econômica pautada pelo controle dos trabalhadores sobre a produção e distribuição das mercadorias pode ser uma saída que defenda a condição de vida da ampla maioria da população. Contra o superlucro dos poderosos e a favor dos trabalhadores, esse deve ser o compromisso de quem luta por uma sociedade socialista.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Receba os
nossos conteúdos

[contact-form-7 id="488" title="Conteúdos"]

Contribua!